sexta-feira, 12 de junho de 2015

O uso do colimador eletrônico na calibragem de miras e lunetas de armas !

A pedidos, estou fazendo esta breve matéria sobre o colimador! Por incrível que pareça, até mesmo atiradores com CR e praticantes de tiro experientes desconhecem esta ferramenta ou não sabem usa-la corretamente!
A primeira consideração que faço é com relação a dúvida: Em que armas posso utilizar o colimador? Podemos utilizar em qualquer arma de pressão ou de fogo, tanto nas armas curtas quanto nas longas!
O colimador, normalmente vem com adaptadores para vários calibres, desde o 4,5mm até o .50mm.Como vocês podem ver na imagem acima!
Ele é introduzido no cano da arma e emite um laser que mostra a possível trajetória do projeti através do raiamento do cano! Desta forma, o atirador poderá calibrar a mira ou luneta do rifle ou arma curta, sem precisar fazer nenhum disparo!É claro que esta ferramenta tem técnicas corretas para ser utilizada: Ângulo, distância do alvo, tipo de ponteira do cano da arma etc
Foto tirada no momento em que calibrava a mira aberta de um rifle!

O colimador, instalado em um revólver .38, mostra a trajetória do projetil!

*Quer aprender tudo sobre a correta utilização do colimador para calibrar lunetas e miras abertas e ainda conhecer tudo sobre armas de fogo, armas de pressão, e técnicas de tiro esportivo e de defesa?
Leia nosso livro e conheça tudo que você sempre quis saber sobre armas de pressão & fogo e as melhores técnicas de tiro esportivo e de defesa, além de poder fazer qualquer consulta sobre o mundo das armas diretamente com o autor, a hora que você quiser! *****O autor é armeiro, campeão de tiro, pesquisador e autor do livro " O Fascinante mundo das Armas de Pressão & Fogo, História & Técnicas de tiro" que você pode ler CLICANDO AQUÍ

quarta-feira, 10 de junho de 2015

ATIRADOR DE ELITE: Técnica, sangue frio e vidas a salvar!:

"Não atiramos para acabar com uma vida, mas para salvar outra"

Conheça os snipers brasileiros, atiradores de elite da Polícia Militar que jamais podem errar
Oficialmente, as Forças Armadas dos Estados Unidos registram 160 inimigos abatidos pelo sniper americano Chris Kyle durante as guerras no Iraque e no Afeganistão. Em sua autobiografia, que virou filme indicado ao Oscar, Kyle alega que o número de alvos atingidos com sucesso passa de 200. A história de guerra, heróis, inimigos e patriotismo - com direção de Clint Eastwood - não agradou a academia e levou apenas uma estatueta - melhor edição de som -, das seis a que tinha sido indicada. Aqui no Brasil, onde as atividades das nossas Forças Armadas são mais limitadas, os atiradores de elite são menos requisitados. Mas em um país que figura entre os mais violentos do mundo, são os snipers policiais que estão sempre em alerta.
Enquanto Chris Kyle(foto acima) teve que lidar com terroristas dentro do território inimigo, os snipers policiais entram em ação contra assaltantes, traficantes, sequestradores e suicidas. “É a atividade que escolhe você, não você quem escolhe ser um sniper”, diz o Capitão Ricardo Orlandi Folkis, do Gate – Grupo de Ações Táticas Especiais, divisão da polícia militar do estado de São Paulo.
A carreira de um atirador de elite começa com o concurso público para ingressar na PM. Só após dois anos atuando na patrulha é possível se candidatar para ingressar no Gate. As inscrições costumam ter mais de 300 candidatos para cerca de 30 vagas. Após testes físicos e psicológicos, uma avaliação do histórico profissional, que inclui consulta à Corregedoria, e uma prova escrita, os selecionados para o curso do Gate passam um mês em treinamento pesado. Ao final, apenas metade dos estudantes se forma. Mas o Capitão Folkis ressalta que, apesar do treinamento e do curso intensivos, os recém admitidos começam como “estagiários” na tropa.
Ao longo desse período inicial, em que passam por experiências em todas as áreas do Gate, como armamentos e explosivos, os snipers podem ser identificados por uma espécie de “olheiro” da polícia. “Nesse momento, a avaliação do perfil psicológico do candidato a sniper policial é mais rigorosa que a avaliação física ou técnica”, explica o Capitão Folkis. Segundo a PM, diante do menor desvio de conduta ou indicação de um possível problema, o policial é desligado.
O treinamento de um atirador de elite dura cerca de dois anos. Só depois desse período ele começa a atuar sem a supervisão de um instrutor. O fato, no entanto, é que um atirador nunca está totalmente sozinho. Ele trabalha em parceria com o observador. E são necessários mais dois anos de experiência para que o sniper policial possa ter autonomia em uma ação. Automia essa que só é concedida em cada caso após o "sinal verde" do comandante da operação.
Desde a fundação do Gate, em 1987, os atiradores de elite só tiveram que disparar em sete situações. Mas são chamados de três a quatro vezes por mês. São requisitados principalmente em casos que envolvem reféns sob mira de alguma arma. Também atuam em ações da táticas da polícia, como incursões em ambientes hostis, rebelião em presídios e proteção de autoridades. Em 2001, durante visita do ex-presidente americano Bill Clinton, atuaram em parceria com o FBI, a polícia federal dos Estados Unidos.
Ex-maridos alcoolizados e inconformados que tomam familiares reféns também são personagens comuns em situações que requerem a presença dos snipers brasileiros. Enquanto a negociação se desenrola, os atiradores devem manter inabalados o foco e a concentração. Podem aguentar horas em posição. “Não tem situação mais ou menos complicada, em todas estamos lidando com vidas”, conta Folkis.
O capitão ressalta que, quando é preciso atirar, “o tiro não é para tirar uma vida, mas para salvar outra”. “A atividade de um sniper da polícia e um sniper das Forças Armadas Americanas pode ser bem diferentes, mas com certeza a pressão do momento e a cobrança são as mesmas", diz Folkis. “Uma diferença importante entre os dois é que, para o militar, de um limite pra trás é tudo inimigo e não há uma negociação. Já o sniper policial não pode errar e tem apenas um alvo”, conclui.
Um fuzil FN 30-11(foto acima), de fabricação belga e calibre 7,62mm, é a ferramenta de trabalho, ao lado do uniforme com colete à prova de balas, do telemetro (que mostra distância do alvo e velocidade do vento), do rádio comunicador e de uma luneta. No momento, uma licitação internacional está em curso para a troca do FN pelo fuzil Remington 700(foto abaixo), de fabricação americana, calibre 7.62.
Os atiradores podem acertar um alvo de 3 centímetros a uma distância de 100 metros. O capitão Folkis conta que a maior distância de um alvo atingido por um atirador de elite em uma operação com refém foi de 32 metros. Em casos com refém e com boa visibilidade, a mira é direcionada para um ponto entre o lábio superior e o nariz do suspeito.
Conversamos com dois atiradores de elite do Gate: M.M., de 33 anos, e G. E. de, 34. Ambos repetem as palavras do Capitão Folkis ao dizer que é “função que escolhe o policial”, não o oposto. Como diferencial, listam muito estudo técnico e comprometimento. “Temos situações em que é preciso saber julgar o que é ético, moral e legal. Nem tudo que é legal é moral”, diz M. “Não julgamos vidas, julgamos situações”.
E. aponta o estresse, a pressão psicológica e a confiança depositada na função os grandes desafios em uma operação com refém. “Nessas situações, precisamos passar confiança para os outros e para o país”.
Nas horas vagas, não há a pressão psicológica nem o estresse. Mas eles continuam a lidar com alvos e munições, já que um passatempo frenquente são jogos de videogame como Counter Strike e Sniper Hero. O livro “Não Há Dia Fácil”, que narra a operação que resultou na captura e morte de Osama Bin Laden, chegou a ser inspiração para E., que relatou ter usado passagens da obra em situações reais.
E a empolgação é visível ao falar de “Falcão Negro em Perigo”, filme de ação de Ridley Scot que relata uma desastrosa operação dos Estados Unidos na Somália, e das séries "Flashpoint", "The Unit", "Southland" e "Homeland", todas com temática policial ou de segurança.
Perguntado sobre qual o sentimento de atuar numa posição de elite da polícia, M. responde: “é como ser escalado para a seleção brasileira”.
Fonte:istoe.com.br

Leia nosso livro e conheça tudo que você sempre quis saber sobre armas de pressão & fogo e as melhores técnicas de tiro esportivo e de defesa, além de poder fazer qualquer consulta sobre o mundo das armas diretamente com o autor, a hora que você quiser! *****O autor é armeiro, campeão de tiro, pesquisador e autor do livro " O Fascinante mundo das Armas de Pressão & Fogo, História & Técnicas de tiro" que você pode ler CLICANDO AQUÍ